Blog do Espaço Funcional 

Postagens rápidas e focadas para quem tem pressa.

Tudo o que você queria saber sobre Bullying mas não tinha pra quem perguntar.

 Bullying: muitos Pais que nos reportam este problema se posicionam em dois extremos. Vários não sabem o que fazer, tem compreensão parcial ou preferem ignorar achando que que “vai passar”. Enquanto isso muitas crianças sofrem.

De outro lado existem os que acham que matricular o filho em qualquer uma arte marcial resolve todos os problemas. Não é bem assim, se mal direcionada está atividade (como qualquer outra) pode ter seus benéficos comprometidos.

Devido a nova dinâmica das famílias, agendas de trabalho apertadas, falta de conversa entre pais/mães e filhos isto pode estar acontecendo com seus filhos(as) hoje e você pode nem estar sabendo!  O que para nós adultos não passa de “tiração de sarro” ou uma brincadeira de mal gosto (afinal de contas já passamos por isso e sobrevivemos), para eles pode ser o inferno na terra.
O Systema (Arte Marcial Russa) aborda de forma prática o equilíbrio físico e emocional de crianças e adolescentes, de modo a não só se defenderem fisicamente, mas também preservem aspectos internos, com ferramentas práticas e auto conhecimento de verdade. Pode ser uma boa opção para seu filho(a).
Antes de tudo acreditamos que nada melhor do que estar bem informado e ter uma estratégia boa e definida, com muita compreensão e conversa amigável. Essa é a base para que a situação se reverta e se harmonize, de preferência com sequelas mínimas para todos os envolvidos. Sim, é possível ! 
Se quiser conhecer mais sobre Bullying, de uma maneira diferente, recomendo a leitura do livro da peça “Bullying – se correr, o bicho pega!” de João Pedro Roriz (*) (Ed. Paulus). 

Mas vamos lá...

O que é Bullying ?
Prática de violência recorrente contra o mesmo indivíduo oi contra grupos de indivíduos dentro de uma comunidade. A palavra Bullying advém do Inglês Bully, que significa “valentão”. 

 

Existem vários tipos de violência?

Sim, violência física (agressão corporal), violência psicológica (intimidações), violência verbal (xingamentos e palavrões), violência moral (injúrias, difamações e calúnias), violência sexual (violação sexual não consensual), violência cultural (perseguição aos hábitos culturais de uma pessoa).

 

O que leva uma pessoa a cometer Bullying?
Preconceito e intolerância em relação as diferenças, sentimento de raiva incontida, sentimento de inferioridade, desejo de vingança, trauma e/ou reprodução da prática cometida por pessoas próximas.

 

O que é cyberbullying?

É a prática do Bullying manifesta com a ajuda de equipamentos de comunicação.

 

Existem vários tipos de Bullying?
Sim. Além do Cyberbullying, existe o “Bullying direto”, mais comum entre os homens, que envolve violência física e psicológica. O “Bullying indireto”, mais comum entre meninas e crianças pequenas, envolve o isolamento da vítima através de calúnias, difamações e injúrias. O “Bullying adulto” é a denominação usada para o envolvimento de um adulto no fenômeno seja como agressor, seja como espectador ou vítima.

 

Existem pessoas com mais propensão a sofrer Bullying ?
Sim. Foram observados padrões de comportamento entre as vítimas de Bullying e isso permitiu aos especialistas classifica-las. Existe a “vítima típica”, isto é, a pessoa que possui uma característica ou um comportamento marcante. Normalmente as vítimas típicas são pessoas que possuem alguma deficiência ou simples inabilidade física ou social. Existe a “vítima provocadora”, ou seja, pessoas com comportamento infantil ou imaturo que, inconscientemente provocam reações intolerantes por parte de seus colegas.

 

Existem pessoas com maior propensão a cometer Bullying?

Sim, A “vítima agressora” é aquela que já sofreu Bullying em determinado momento e “desconta” suas frustrações posteriormente em uma vítima mais fraca no mesmo ambiente ou em um ambiente diferente. O “agressor genuíno” é o tipo de bully que possui raiva não diagnosticada e desenvolve um comportamento violento como forma inconsciente de canalização de suas emoções.
 

O que leva alguém a cometer Bullying?
Depende. De modo geral, os agressores buscam afirmação e o posto de liderança. Muitos sofrem forte sentimento de inferioridade, o que estimula a diminuir as pessoas ao seu redor para que se sintam mais confiantes e seguros. Muitos bullys (agressores) nutrem sentimentos complexos em relação à vítima - algo que envolve admiração e/ou inveja – e as vezes reúnem esforços para forçar a vítima a agir de modo calculado. Em muitos casos, o agressor acredita estar ajudando a vítima a amadurecer. Existem casos em que o agressor pode criar situações de violência para impor respeito e, assim, manter o status de líder. Narcisista, os agressores genuínos desejam ser “temidos” para atrair atenção e se tornar uma pessoa mais popular dentro de seu grupo social.

 

Existem tipos de expectadores?
Sim. Os espectadores são divididos em três categorias.
1) O “espectador ativo ou funcional” é aquele que simpatiza com o agressor e que, em muitos casos, participa da agressão, estimulando o bully a cometer atos de violência.
2) O “espectador passivo ou inerte” é aquele que possui simpatia pela vítima, mas não se envolve diretamente com o conflito por temer represálias.
3) O “espectador neutro” é aquela testemunha que não simpatiza nem com o agressor nem com a vítima.

Em casos de Cyberbullying é possível observar pessoas que divulgam imagens ou vídeos contendo atos de violência sem fazer uma análise profunda sobre o material que estão divulgando. Em muitos casos, esse espectador torna-se ativo sem, contudo, entender que está fazendo mal a alguém.

 

O que eu devo fazer ao testemunhar uma situação de violência?

É importante reportar os fatos a autoridade do local, mesmo que anonimamente. Ao se omitir, um espectador torna-se cúmplice do agressor. Um estudo recente do Centro de Empreendedorismo Social e Administração em Terceiro Setor (CEATS) revelou que 70% dos brasileiros com idade escolar já testemunharam cenas de violência dentro das instituições de ensino. Na região Sudeste do país, o índice chegou a 81%. Este dado prova que a grande maioria da população estudantil do Brasil já testemunhou agressões dento da escola.

 

Qual o limiar entre brincadeira e Bullying?  

Esta no objetivo. Brincadeira é quando todos os participantes brincam. Quando um dos participantes deixam de brincar e passa a sofrer prejuízos (físicos, financeiros, morais e outros), o objetivo deixa de ser brincadeira e passa a ser violência. Apesar disso, nem toda violência ou conflito devem ser considerados Bullying. O Bullying é um fenômeno socioeducativo absolutamente silencioso e progressivo que visa minar a liberdade da vítima aos poucos, sem, contudo, chamar a atenção das autoridades.

 

Posso colocar um apelido no meu colega?

Depende. O apelido, para ser positivo, deve estimular a união das pessoas. Antes de colocar apelido em uma pessoa, peça permissão. Mesmo se o seu colega disser que “não se importa”, procure saber se esse apelido de fato o agrada.